Referência em oncologia do PR, hospital recebe doações para tratar pacientes com COVID-19

Compatilhe

O médico Clederson Bitencourt cuidou da própria mãe, Alzi Lurdes Bitencourt, 60, que luta contra um câncer e superou a COVID-19.

O médico Clederson Bitencourt cuidou da própria mãe, Alzi Lurdes Bitencourt, 60, que luta contra um câncer e superou a COVID-19.

Referência em oncologia do PR, hospital recebe doações para tratar pacientes com COVID-19

Compatilhe

Um dos maiores receios pessoais do médico Clederson Bitencourt se concretizou na pandemia. Coordenador da UTI de COVID-19 do Hospital do Câncer UOPECCAN, referência em oncologia em Cascavel e no oeste paranaense, ele sabia que, se sua mãe contraísse a doença, as consequências poderiam ser nefastas.

Em tratamento de um câncer de mama há seis anos e de parótida há três, Alzi Lurdes Bitencourt, de 60 anos, colecionava fatores de risco para a COVID-19. "Pacientes com o perfil da minha mãe costumam ter um desfecho desfavorável", diz Clederson.

Alzi conta que contraiu o vírus ao ir até uma área rural para vender seu artesanato e comprar alimentos orgânicos. "Ao voltar, comecei a ter tosse seca, dor no corpo, fraqueza e dor na garganta."

Com falta de ar, em março de 2021, a dona de casa foi internada no hospital onde o filho trabalha, de onde só sairia um mês depois. "Não queria ser intubada, mas chegou uma hora que pedi para me intubarem porque não conseguia respirar, era muito desespero", lembra.

Conectada a sondas, Alzi recebeu antibióticos, analgésicos, sedativos, bloqueadores neuromusculares, antitérmicos, corticoides e até uma droga experimental contra a doença. Para ela, porém, o que de fato salvou sua vida foi ser atendida pelo próprio filho.

"Estava nas melhores mãos que Deus poderia me dar. Meu filho queria ser jogador de futebol e não deu certo. Então, decidiu ser médico. Se não fosse por ele, não estaria aqui contando esta história."

Para exceder os limites da oncologia e atender pacientes de COVID-19, o Hospital do Câncer de Cascavel contou com apoios como o da Raia Drogasil, que doou à União Oeste Paranaense de Estudos e Combate ao Câncer (UOPECCAN) cinco monitores multiparamétricos e dezenas de milhares de EPIs, entre outros suprimentos. A ação é parte da campanha #TodoCuidadoConta, que vem destinando R$ 25 milhões em insumos a 50 hospitais do país para o combate da COVID-19.

"São itens que ajudam no atendimento mais adequado aos pacientes e na proteção das equipes", resume Clederson. "É um alento saber que grandes instituições estão ajudando neste momento tão difícil. Mostra o quanto devemos ter esperança no ser humano."

Ainda se recuperando da COVID-19, Alzi diz que a doença trouxe um novo significado para sua vida. "Temos que aproveitar mais. Antes, não comprava nada para não gastar. E o que adianta o dinheiro nessa hora?", questiona. Ela reconhece ainda a importância dos recursos doados. "Foi bom porque tinha equipamento para ajudar lá, no hospital. Deus abençoe a Raia Drogasil pela doação."

"É um alento saber que grandes instituições estão ajudando neste momento tão difícil. Mostra o quanto devemos ter esperança no ser humano."

SAIBA MAIS SOBRE ESSA DOAÇÃO

Hospital do Câncer UOPECCAN

Cascavel e Umuarama PR

Ver Hospital

Confira outras histórias

Santa Casa de Misericórdia de Maringá
Monitores doados facilitam e agilizam o trabalho de profissionais na Santa Casa de Maringá em momento crítico

Foi a primeira vez que conseguimos comprar todos os monitores iguais – e monitores que a gente pôde escolher, modernos, completos, com recursos que os nossos não têm.

Hospital Ministro Costa Cavalcanti
Doação permite a hospital de Foz do Iguaçu abrir dois leitos de UTI e três de enfermaria para COVID-19

As doações geraram na equipe do hospital um enorme sentimento de gratidão. Um apoio desse nos permite oferecer um tratamento completo, com mais recursos, para salvar ainda mais vidas.