Doação amplia atendimento de COVID-19 em hospital de referência para 49 municípios gaúchos

Compatilhe

A médica intensivista Leticia Castro Becker precisou aprender a trabalhar com um novo tipo de isolamento

A médica intensivista Leticia Castro Becker precisou aprender a trabalhar com um novo tipo de isolamento

Doação amplia atendimento de COVID-19 em hospital de referência para 49 municípios gaúchos

Compatilhe

Estar no olho do furacão não é exatamente novidade para o Hospital Pompeia, em Caxias do Sul (RS). Centro médico de referência em neurologia, ortopedia e outras especialidades para pacientes do SUS de 49 municípios gaúchos, a instituição precisou acrescentar, durante a pandemia, uma UTI para COVID-19.

"Tivemos de ampliar as precauções de isolamento em meio a um aumento considerável do número de atendimentos", diz Leticia Castro Becker, médica intensivista da UTI de COVID-19. "Aprendemos a trabalhar com um tipo de isolamento que nunca havia sido usado antes", conta.

Mesmo com todos os cuidados, alguns trabalhadores acabaram adoecendo. Foi o caso da enfermeira Karine Aparecida Vargas, de 27 anos, que apresentou sintomas considerados leves. "Sentia calafrios, mal-estar e muita dor. Quis acreditar que fosse apenas um resfriado, mas quando veio o resultado positivo para COVID-19, a cabeça foi a milhão", lembra.

A enfermeira Karine Aparecida Vargas, 27, teve sintomas leves da doença e se recuperou

Karine não precisou ser internada para se recuperar da doença, mas como enfermeira sabia da importância de poder contar com uma UTI bem estruturada caso seu quadro se agravasse. E, no momento mais crítico da pandemia, o Pio Sodalício das Damas de Caridade do Hospital Pompeia ganhou um apoio fundamental para seu centro intensivo.

Com recursos doados pela campanha #TodoCuidadoConta, da Raia Drogasil (RD), o hospital pôde comprar 17 monitores multiparâmetros para a UTI. A iniciativa da RD visa apoiar os profissionais da linha de frente no combate à COVID-19 e está destinando R$ 25 milhões a 50 hospitais do país.

"Esses monitores eram uma demanda muito importante que a pandemia deixou mais evidente", conta a intensivista Leticia. "Com eles, conseguimos fazer uma avaliação contínua dos sinais vitais dos pacientes graves. São equipamentos de alto custo que nos permitiram aumentar o número de atendimentos a pacientes do SUS com coronavírus".

Passada a pandemia, Leticia sabe que os monitores vão ter uma função importante. "Continuarão sendo usados em blocos cirúrgicos, em anestesias e nas UTIs e no pronto-atendimento, proporcionando mais segurança aos pacientes graves por serem equipamentos de tecnologia adequada", diz.

A enfermeira Karine valoriza o gesto. "A pandemia fez com que parássemos de pensar somente em nós mesmos, e essas doações nos levam a refletir justamente sobre a importância de se preocupar com o coletivo."

"A pandemia fez com que parássemos de pensar somente em nós mesmos, e essas doações nos levam a refletir justamente sobre a importância de se preocupar com o coletivo"

SAIBA MAIS SOBRE ESSA DOAÇÃO

Pio Sodalício das Damas de Caridade do Hospital Pompéia

Caxias do Sul RS

Ver Hospital

Confira outras histórias

Santa Casa de Misericórdia de Pelotas
Santa Casa de Pelotas se fortalece e ajuda hospitais sobrecarregados pela COVID-19

São equipamentos essenciais para muitos doentes e que garantem o bom andamento das cirurgias.