Respiradores doados à Santa Casa de Rio Claro reduzem intubação de pacientes com COVID-19

Compatilhe

A aposentada Maria Cristina Delfino, 59, diz que os respiradores doados e os cuidados do hospital salvaram sua vida

A aposentada Maria Cristina Delfino, 59, diz que os respiradores doados e os cuidados do hospital salvaram sua vida

Respiradores doados à Santa Casa de Rio Claro reduzem intubação de pacientes com COVID-19

Compatilhe

Moradora de Itirapina, no interior paulista, a professora aposentada Maria Cristina Delfino não tem diabetes, nunca fumou e sempre gozou de boa saúde. Aos 59 anos, não seria uma dor no globo ocular seguida de náuseas que a tiraria de combate, até o quadro evoluir para desmaios e convulsões – e o teste para COVID-19 dar positivo.

"Quando tiraram meu sangue, ele estava mais grosso, coagulando", lembra Maria Cristina. "E, por causa dos desmaios, eu teria de ir para um lugar que tivesse tomografia, então me transferiram para a Santa Casa de Rio Claro", explica.

A pneumonia causada pela COVID-19 foi constatada, e a aposentada passou a noite no hospital, de onde só sairia três semanas depois. Com 72 horas de internação, ela já estava na UTI, prostrada e sem vontade de fazer nada, nem comer ou beber.

Então, o hospital começou a fazer a diferença. "Eles não desistem da gente, são anjos incansáveis. Não deixam sentir solidão, saudade de casa, sentir que vai morrer. Só colocam a gente pra cima", relata Maria Cristina. Ela conta também que, graças a um importante equipamento da Santa Casa de Rio Claro, não precisou ser intubada e se manteve consciente o tempo todo. "Quando a gente vai usar o respirador, fica desconfortável no começo. Mas o médico falava, 'você tem que usar, senão a senhora vai ser intubada'. E quando você é intubado, não sabe o que vai acontecer", diz.

Do outro lado dessa história, a enfermeira Thaiane Scaquette, coordenadora da área de isolamento da Santa Casa, conta o esforço do hospital para se preparar para a pandemia. "Nossas forças se voltaram para construir uma estrutura segura para os pacientes da COVID-19, criar fluxos específicos, buscar profissionais qualificados, aumentar o estoque de suprimentos e conseguir equipamentos para atender a demanda", afirma.

Para se reestruturar, a Santa Casa teve o apoio do programa #TodoCuidadoConta, criado pela Raia Drogasil, que permitiu ao hospital comprar dois respiradores pulmonares, um cardioversor, 12 mil máscaras e 5 mil aventais, entre outros insumos. Ao todo, a iniciativa da RD vem doando R$ 25 milhões a 50 hospitais do país para ajudar no combate à COVID-19.

"Sou testemunha de que eles usam tudo isso, e esse respirador salva vidas. Minha companheira de quarto também usou e não foi intubada", conta Maria Cristina. "Ações como essa contribuem para nossa evolução como pessoas, como sociedade e como instituição", acredita a enfermeira Thaiane. "É como se o mundo soprasse em nossos ouvidos: 'Força! Nós confiamos em vocês!'."


Nota de pesar: no dia 20 de setembro, 29 dias depois de ser entrevistada para esta reportagem, a enfermeira Thaiane Scaquette faleceu, vítima de COVID-19. Solidários à dor da família, prestamos uma singela homenagem a esta admirada profissional, que contribuiu para salvar a vida de tantos pacientes.

"Ações como essa contribuem para nossa evolução. É como se o mundo soprasse em nossos ouvidos: 'Força! Nós confiamos em vocês!'."

SAIBA MAIS SOBRE ESSA DOAÇÃO

Santa Casa Saúde de Rio Claro

Rio Claro SP

Ver Hospital

Confira outras histórias

Santa Casa de Araçatuba
Enfermeira é curada de COVID-19 no próprio hospital onde trabalha, com estrutura reforçada por doações

Eu senti na pele a importância do cuidado com o outro. É preciso enxergar o paciente como um ser que, além da doença, tem valores e sentimentos, e exercer empatia.

Hospital Santa Marcelina
Doação de materiais hospitalares salva pacientes de COVID-19 e protege profissionais de UTI em São Paulo

Muitos dos pacientes graves de COVID-19 na UTI precisam fazer hemodiálise. Estes aparelhos salvaram vidas... Muitas!