Monitores doados para a ala COVID-19 de hospital de Goiânia vão beneficiar pacientes de outras doenças no futuro

Compatilhe

O médico Mayler Olombrada Nunes de Santos conta que a pandemia foi um dos maiores desafios da sua carreira.

O médico Mayler Olombrada Nunes de Santos conta que a pandemia foi um dos maiores desafios da sua carreira.

Monitores doados para a ala COVID-19 de hospital de Goiânia vão beneficiar pacientes de outras doenças no futuro

Compatilhe

Forçado pela pandemia, o Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás (HC-UFG), em Goiânia, viveu na prática a máxima "situações extremas exigem medidas extremas". De agosto a dezembro de 2020, o complexo precisou dedicar três andares – um de UTIs e dois de enfermarias – exclusivamente para pacientes de COVID-19, em uma ala gerenciada pela FUNDAHC (Fundação de Apoio ao Hospital das Clínicas).

"Um grande diferencial eram os leitos em isolamento, para não deixar um paciente em contato com o outro, o que reduz os riscos de contaminação cruzada", explica Mayler Olombrada Nunes de Santos, gerente médico do HC-UFG e da ala temporária de COVID-19.

Apesar dos cuidados, Mayler e sua equipe percorreram o mesmo calvário de qualquer profissional envolvido no combate da pandemia: medo de se contaminar e levar o vírus para os familiares, desconhecimento da evolução da doença nos pacientes, ansiedade pelo grande número de óbitos no Brasil, necessidade de treinamento diuturno para os profissionais com pouca experiência e falta de pessoal qualificado diante da abertura de tantos leitos de UTI.

"A tensão passou a ser onipresente, nem nos sonhos conseguíamos ficar livres das preocupações. Só esquecíamos na hora de cuidar do paciente, no momento de uma intercorrência", conta Mayler. "Pela dimensão da pandemia, pela falta de conhecimento inicial sobre a COVID-19 e pela necessidade de mobilizar tantas equipes novas sem muito tempo hábil, foi um dos maiores desafios da minha carreira."

Para aparelhar a sua linha de frente de COVID-19, o Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás recebeu da campanha #TodoCuidadoConta uma importante doação usada para a compra de um monitor multiparâmetros e EPIs. A iniciativa, da Raia Drogasil, vem destinando R$ 25 milhões a 50 hospitais do país para auxiliá-los no tratamento dos pacientes com COVID-19.

"Os monitores multiparamétricos são essenciais para acompanhar os sinais vitais, em especial a taxa de oxigenação sanguínea por meio da oximetria", explica Mayler. "Esse parâmetro é crucial no manejo do paciente, permitindo a oferta adequada de oxigênio para a melhora da respiração."

O gerente médico destaca, ainda, a importância do monitor como legado material nos futuros atendimentos do HC. "O equipamento continuará sendo usados após a pandemia, tanto nos pacientes em terapia intensiva com outras doenças, como nos pacientes que estiverem realizando exames que requerem sedação."

"Os monitores multiparamétricos são essenciais para acompanhar os sinais vitais, em especial a taxa de oxigenação sanguínea por meio da oximetria."

SAIBA MAIS SOBRE ESSA DOAÇÃO

Hospital das Clínicas – Universidade Federal de Goiás

Goiânia GO

Ver Hospital

Confira outras histórias

Santa Casa de Anápolis
Aparelhos doados à Santa Casa de Anápolis monitoram gestantes e bebês com COVID-19

Você só sabe o quanto a COVID-19 é grave quando passa pelo processo. E só quem passa sabe a importância de uma doação como essa.